sexta-feira, 26 de março de 2010

Maria de Lourdes Modesto II (jornal i)

A jovem alentejana, que estudara economia doméstica e "nem era um ás na cozinha", tinha sobretudo personalidade. Tal como o britânico Jamie Oliver ("inimitável", diz) e Julia Child, arrisca, a maior cozinheira da televisão norte-americana, que a partir de quinta-feira vai poder ver no filme "Julie e Julia". O "The New York Times" não teve dúvidas. "Portugal's Julia Child", chamou-lhe, em 1987, num artigo de primeira página. Mais correcto seria, "America's Maria de Lourdes Modesto". Afinal, a portuguesa começou primeiro.

Julia Child já tinha 49 anos quando exibiu pela primeira vez os seus 186 centímetros de altura na TV. Estávamos em 1962. Acabava de publicar com duas amigas o livro "Mastering The Art of French Cooking". Convidaram-na a ir a um programa de entrevistas explicar como se fazia uma omeleta. E lá foi, entusiasta, desengonçada, excêntrica. Vinte e sete espectadores pediram mais. Quatro anos depois chegava à capa da revista "Time".

Deste lado do Atlântico, Modesto já era uma estrela. A terceira a nível mundial, depois de Raymond Oliver, em França, e de Françoise Bernard, no Luxemburgo. "Os espanhóis nunca conseguiram arranjar alguém que causasse tal impacto", comenta. "Peço desculpa pela imodéstia. Isto tudo já passou". Chegaram a convidá-la para contracenar numa peça de teatro com Amália Rodrigues. Domingos Mascarenhas pôs um ponto final no assunto: "Uma vedeta a representar já chega".

Sem comentários: