sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Curar a ressaca de férias

Eu desenvolvi uma teoria que chamei a ressaca de férias. Basicamente e muito especialmente, para quem trabalha 8 ou mais horas por dia num escritório, quando regressa de férias fica com uma letargia e com uma depressão. Este período de ressaca dura mais ou menos metade do tempo que estivemos fora. Ou seja, se foi um fim de semana comprido com ponte à mistura, em um ou dois dias já estamos finos. Mas se foi 1 mês no bem bom, aí são pelo menos 15 dias a roçar o esgotamento.
Por isso nós na taberna não tiramos férias. Estivemos a fazer obras para vos receber ainda melhor. Ressacas, já bastam as que apanhamos no dia a seguir às provas de vinhos e ainda estamos para perceber porque é que as apanhamos.
Há receitas milagrosas para curar ressacas de álcool, desde batidos de café, ovo cru, leite de ovelha e testículo de boi a um Super BigMac Menu, com Coca-Cola gigante, Batatas fritas gigantes e um sunday caramelo para acamar.
Mas para curar uma boa ressaca de férias só há uma forma. Jantar na 2780 taberna.


Gaspacho de Nectarina, Sapateira em salada
Pezinhos de porco de coentrada
Bola de presunto, azeitona e tomate seco, queijo da ilha
Risotto do momento
Bife weellington, cubos de macã, puré de batata doce

Cheesecake panado de cabra, Mousse de Fruta da Paixão


Aproveitamos para avisar que temos um novo esquema. As sobremesas são parte integrante do menu e não há possibilidade de escolha. Agora para escolher, só mesmo o vinho.
E o preço do Menu, incluindo couvert, sobremesa e outras surpresas lá pelo meio custa apenas 24.5 Eur.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Férias

Há quem ache que fechámos porque vamos de férias. Ouvimos frequentemente a expressão que quem tem um restaurante, é igual a estar numa prisão. Então ter uma taberna é equivalente a uma prisão cambodjana durante o período de Pol Pot ou cubana durante o período do Fidel (apesar do bloco de esquerda continuar a considerar o último regime democrático, onde os seus habitantes têm liberdade).
Não paramos. Fechámos, não para ir de férias mas para investigar. E infelizmente a investigação nem sequer pode ser feita aqui. Temos de ir viajar, comer em vários restaurantes, ir à pesca e à caça para ter contacto com os ingredientes no seu estado natural, conhecer outras pessoas que cozinhem de maneira diferente, fazer churrascos para testar o peixe, etc, etc. E se acham que acaba aqui, estão enganados. Com tudo isto, temos de provar vários vinhos e cervejas.
Não admira que com este trabalho todo que temos durante as férias, estaremos muito cansados para abrirmos no dia 1 de Setembro. Mas esta é a vida dura de taberneiro. Tudo pelos clientes e para ajudar o país a sair da crise.