sexta-feira, 28 de março de 2008

Menu Queirosiano

Em primeiro lugar queremos desde já pedir desculpa não ter colocado o menu antes. Sinceramente nunca pensei que tanta gente viesse cá ler estas parvoíces que escrevemos todas as semanas.

Desculpas à parte, esta semana temos um menu em honra ao Eça de Queiroz. Pois é, muitos 

de vocês a lerem o título pensaram que o menu era dedicado ao Carlos Queirós porque se tem falado muito nestas últimas semanas na possibilidade de ele treinar o Glorioso. Queremos desde já exprimir que o Carlos Queirós nunca terá um menu na taberna em honra dele (a não ser que ganhe o campeonato ao serviço do Maior Clube do Mundo). Lagartos no Glorioso já bastou o Simão.

Falando de coisas sérias, para a investigação do menu desta semana fomos então ler todos os livros do Eça de Queiroz. Pois é, a taberna dá-lhe forte na cultura. Depois do teatro, agora apostamos também na literatura. Somos taberneiros, mas taberneiros cultos.

Depois de ler e reler  todos os livros do Homem (e com ajuda da Fundação Eça de Queiroz http://www.feq.pt), chegamos ao seguinte menu:

Sopa seca

Ovos com chouriço
Arroz de favas 
Bacalhau com grão e pimentos

As sobremesas são:
Creme queimado
Arroz doce
O bolo Eusébio
Pudim de laranja
Pão de ló de Alfeizerão




Sopa Seca
Gonçalo farejava, arredara os ovos. E reclamou o "jantar da família", sempre muito farto e saboroso na Torre e começando por essas pesadas sopas de pão, presunto e legumes, que ele desde criança adorava e chamava as "palanganas".
(A Ilustre Casa de Ramires)

Ovos com chouriço

Gonçalo que se mostrava miraculosamente curado pelo passeio até aos Bravais [...], começou por uma pratada de ovos com chouriço, devorou metade da tainha, devastou o seu "frango de doente", clareou o prato da salada de pepino, findou por um montão de ladrilhos de marmelada..
                                                                                                         (A Ilustre Casa de Ramires)
Arroz de Favas

E pousou sobre a mesa uma travessa a transbordar de arroz com favas. Que desconsolo! Jacinto, em Paris, sempre abominara favas! ... Tentou todavia uma garfada tímida — e de novo aqueles seus olhos, que pessimismo enevoara, luziram, procurando os meus. Outra larga garfada, concentrada, com uma lentidão de frade que se regala. Depois um brado: - óptimo!... Ah, destas favas, sim! Oh que fava! Que delícia!
(A Cidade e as Serras)


Bacalhau com Pimentos e Grão-de-Bico
Só uma ocasião, nesta especialidade considerável, o vi plenamente satisfeito. Foi numa taverna da Mouraria (onde eu levara), diante deum prato complicado e profundo de bacalhau, pimentos e grão-de-bico. Para o gozar com coerência, Fradique despiu a sobrecasaca. E como um de nós lançara casualmente o nome de Renan, ao atacarmos o pitéu sem igual, Fradique protestou com paixão: - Nada de ideias! Deixem-me saborear esta bacalhoada, em perfeita inocência de espirito, como no tempo do senhor D. João V, antes da democracia e da crítica.
(Fradique Mendes: Memórias e Notas)

Creme Queimado
À mesa onde os pudins, as travessas de doce [...]. - Como gostar! Mas é que delira! ... Pudera! Tanto tempo em Paris, privado dos pitéus lusitanos...
(A Cidade e as Serras)

quarta-feira, 19 de março de 2008

Menu da Pascoa

Já dizia a minha avó, "um bom taberneiro é um taberneiro católico".  E nós chegamos à conclusão que queremos ser os melhores taberneiros que St. Amaro de Oeiras já viu. Por isso estamos a tentar ser tão católicos como o Padre Frederico, esse grande cristão que agora é missionário no Brasil, onde anda a pregar a palavra do Senhor.

Desta forma, o menu elaborado esta semana é tão católico que o próprio Ratzinger já reservou mesa. 
Sopa de Funcho (em honra ao madeirense Padre Frederico)
Falafel (um prato tipicamente Católico Apostólico Romano, aprovado pelo Torquemada, que viu a sua instituição, a Inquisição do St Ofício, ser substituída pela actual ASAE)
Risotto de bacalhau com compota de "Cebola Rodriguez", que como é óbvio é Atleta de Cristo
Maça recheada de porco preto e ameixas (só para lixar os árabes que não comem porco)
Borrego recheado de alperces, pinhões com batatinhas no forno - este era o prato preferido do Cardeal Cerejeira.

Sexta Feira Santa ao almoço também vai haver este menu Católico. Como já é habitual, aos Sábados e feriados ao almoço o nosso esquema é igual ao do jantar.

Temos um vinho novo para vocês experimentarem. Um vinho só para hom

ens de barba rija. Mesmo à taberneiro! Um vinho que, segundo a nossa investigação durante os dia
s que não estamos abertos ao público, descobrimos que é quase igual ao vinho que Jesus deu aos discípulos na Última Ceia.

Aqui à direita podem ver uma foto da capela onde virão rezar. A foto foi tirada pelo nosso fotografo de serviço e sacristão nesta capela de St. Amaro de Oeiras: Tiago Paula de Carvalho.
O Tiago é tão católico que é conhecido nestas bandas pelo Cristo (esta parte final é mesmo verdade!)

quarta-feira, 12 de março de 2008

Menu la Strada


Inacreditável a quantidade de apoio que a 2780 taberna dá ao teatro. Estamos uns autênticos mecenas. E desta vez, quem quiser comer esta semana na taberna, tem de trazer um bilhete da Comuna, para provar que viu a peça La Strada. 
Uma das actrizes é a Joana Xardoné, mais famosa pelas suas qualidades de cozinheira na taberna que as de actriz. Mas quem quer provar os petiscos feitos com a ajuda dela, tem que a ir ver à Comuna, nesta adaptação do filme do Fellini. 
Deixem de arranjar desculpas. Há quanto tempo é que não vão ao teatro??!?! E depois de irem, sempre podem vir cá e discutir o que acharam da peça.
www.lastradanoteatro.blogspot.com/

Os taberneiros choraram no fim e taberneiro que se preze não é um poço de sensibilidade. Mas a peça toca-nos até porque há referências aos verdadeiros taberneiros e clientes de tabernas dos anos 50 em Itália. 
Os nossos sinceros parabéns aos actores que conseguiram, apesar das muitas adversidades, montar um espectáculo digno do nome.


Actualizando os petiscos da taberna do Fellini para as da 2780 taberna:

Sopa de cebola à francesa, com tosta de cebola e queijo de S. Jorge

O clássico trio electrico em tartellete com nova apresentação
Kebab de Tamboril com molho de iogurte, pepino e menta
Amburga de porco e morcela com picadinho de "Nanaz" de S. Miguel
Costoleta de borrego com crosta de ervas e frutos secos com maçã caramelizada

Sobremesas:
Bolo Eusébio
Crumble de pera rocha e manga
Pudim de laranja do algarve
Leite creme

Vão ao teatro!


sexta-feira, 7 de março de 2008

A taberna apoia o teatro

Aconselhamos os clientes da taberna a ir ao teatro. Os profissionais desta arte têm-se queixado que a taberna, por abrir nos mesmos dias e às mesmas horas que os espectáculos ocorrem, rouba  espectadores às salas. Só porque a nossa comida é divinal, não nos consideramos culpados por isto acontecer.
De qualquer das formas aqui fica o reparo feito e incentivamos os nossos clientes a irem ver esta peça, nos dias em que a taberna está cheia (o que não é difícil).
Happy birthday é uma comédia dos anos 70 com um humor actual. A taberna foi à estreia e gostou. 
Os actores dão ritmo à peça e ficamos presos ao enredo. Se quiserem dar umas gargalhadas vão ao Parque de Palmela. Principalmente para aqueles que se queixam que o teatro é sempre uma seca e as peças são desinteressantes.



Nota da Peça:
Apresentada pela primeira vez em 1979 no Apollo Theatre de Londres, esta peça traz para a actualidade a cena alternativa dos anos 70 - década da contra-cultura, do underground ... para alguns "os anos alucinados", para outros a idade do vazio-cultural, do culto do "eu". Enfim, o cenário ideal para a desconstrução da falsa moral que constitui a base de uma elite em decadência.

Encenada por José Carlos Garcia (Companhia do Chapitô) e interpretada por Isabel Francisco, Margarida Moreira, Patrícia Castello Branco, Duarte Grilo e Salvador Sobral, Happy Birthday fica em cena até 16 de Março.

Happy Birthday 
Encenação: José Carlos Garcia
Autor: Marc Camoletti
Tradução:Sara Ribeiro
Elenco: Isabel Francisco, Margarida Moreira, Patrícia Castello Branco, Duarte Grilo, Salvador Sobral.
Produção: Salvador Sobral e Patrícia Castelo Branco
Cenografia: Vera Dias
Iluminação: Francisco Figueiredo
Som: Inocêncio Gomes

Auditório Fernando Lopes-Graça - Parque Palmela/Cascais
Av. Marginal (junto ao Hotel Estoril-Sol)
De 6 de Março a 16 de Março, às 21h30

quinta-feira, 6 de março de 2008

Menu dos Cure

O menu esta semana foi pensado no Robert Smith e na sua banda. Parte da equipa da taberna vai ao concerto e a banda já prometeu que depois do concerto no sábado, vem à taberna comer qualquer coisita. Lembro que o Robbie (somos muito amigos!!) escreveu até algumas músicas a pensar na taberna como:


Just like heaven - Que fala da comida da taberna de uma forma geral.

The blood - Letra sobre os pratos com morcela que o Robbie adora.
Give me it - que lembra os membros da banda a gritarem por mais comida quando jantam na taberna (eles tocam bem, mas não são muito educados!)
All I want - (is to eat at taberna!) - Acho mal que devido a motivos puramente comerciais a parte em parênteses ficou de fora, mas toda a gente sabe sobre o que é a música.
Icing Sugar - é uma música sobre a especialidade do Chef Cardoso: As sobremesas




Por isso fizemos alguns dos seus petiscos favoritos da banda e que vocês vão ter hipótese também de provar.

Creme de batata doce citronela

Terrina de coelho e porco com "Cebola Rodriguez" (prato pedido pelo guitarrista Porl Thompson que é um grande benfiquista)
Salmão com creme wasabi flambée (prato pedido pelo Simon Gallup, baixista actual da banda)
Alheira de caça com grelos (um dos pratos preferidos do baterista Jason Cooper)
Barriga de porco com alperces picantes (estes alperces são a perdição do Robert Smith)




Agora só vos peço que se virem os membros dos Cure na taberna não fiquem a olhar e não vão pedir autógrafos. Eles são pessoas simples e só querem ir à taberna porque também têm direito a provar as delícias do Chef Cardoso.