segunda-feira, 23 de março de 2009

Menu Italiano


Porque é que insistimos em Itália. Não é só por serem campeões mundiais. É por terem prazer em fazer coisas com beleza e gosto. Uma das características do grande desenvolvimento económico italiano nos anos 70 e 80 foi haver uma vontade individual de cada italiano, em fazer cada coisa, por mais pequena, como se fosse a única e melhor coisa que fizesse na vida. Desde de um carro, uma pintura, cantar, jogar futebol e comida.
Nesse aspecto, os taberneiros têm, não uma apenas uma costela italiana, mas uma coluna vertebral transalpina. Cada prato que sai da cozinha sai com dedicação, qualidade, beleza e sobretudo amor. Aliás, nós damos um beijo no rebordo de cada prato assim que sai da zona de empratamento (Ai a ASAE se lê isto!)


Salada de cogumelos grelhados - Insalata di porcini alla griglia
O regresso do trio em bruschetta
Escabeche de peixe ou carpione di pesce
Risotto ai frutti di mare
Ossobuco à milanesa

Parece que vamos ter:
Tiramisu
Mousse de expresso

Vinhos italianos a acompanhar
Proseco de entrada
Piemonte branco
Chianti tinto

sábado, 21 de março de 2009

Taberna além fronteiras

Não foi com surpresa que recebemos a notícias que o Ferré Adriá, responsável pela cozinha do melhor restaurante do mundo nos últimos anos, o El Bulli, estava a pensar em desistir. Quando não se aguenta a pressão da competição de uma pequena grande taberna, em St. Amaro de Oeiras, o melhor mesmo é tentar outra coisa. Para ajudar à desmotivação do Chef Adriá, quem foi convidado para participar e exemplificar o que se anda a fazer na vanguarda gastronómica, foi um dos chefs da 2780 taberna. É verdade! no maior fórum europeu sobre inovação (http://www.iirusa.com/feieurope/home.xml), foi o Chef Guerra, especialista em azoto líquido, espumas, esferificações, etc., que foi ao Mónaco mostrar a todos os Europeus o que mais de avançado e inovador se anda a fazer na gastronomia.
O que o Chef Guerra fez pela 2780 taberna e por Portugal em termos gastronómicos só tem comparação com o que Bartolomeu dias fez em 1488. O Chef Guerra passou o Cabo das Tormentas da gastronomia portuguesa e permitiu que os portugueses possam agora também em termos culinários, desta vez não descobrir, mas conquistar o resto do mundo. A gastronomia portuguesa, que tanta dificuldade tem tido em se afirmar em termos internacionais, tem agora o mapa desenhado para ir até à India, se quiser.

Aproveito para deixar uma mensagem ao Chef Adriá, que se não quiser desistir e quiser continuar a aprender, a 2780 taberna aceita estagiários.

Parabéns ao Chef Guerra por todo o trabalho que tem desenvolvido.

terça-feira, 10 de março de 2009

Menú lá para trás do sol posto


Esta semana, a taberna volta a apoiar a arte. Desta vez uma peça com um tema muito forte e com uma mensagem que pretende difundir, com o intuito de defender os direitos humanos. "Inocente Silêncio" fala-nos da cruel realidade da prostituição infantil no Cambodja, Laos e Tailândia. A história desenrola-se nesse mundo bárbaro onde se assiste à compra e tráfico de crianças, levando às mais terríveis torturas físicas, emocionais e, muitas vezes, à morte.

Através da peça, a autora conta-nos a história de uma menina, Mei Win, natural do Cambodja, vendida por familiares a uma casa de prostituição. Retrata a luta diária pela sobrevivência dessas crianças a quem foi roubada, demasiado cedo, a inocência. O trauma de estarem longe das famílias, das suas casas, sujeitas a torturas inimagináveis, num dia a dia onde impera o desalento e a falta de esperança.

"Inocente Silêncio" é inspirada em factos verídicos, descrevendo o percurso de Mei Win até sair dessa vida de sofrimento, para se tornar numa defensora activa dos direitos dessas crianças. Uma dura realidade de onde brotam casos de uma incrível força!

A entrada são só 10 euros e revertem na totalidade para ajudar a resgatar e recuperar crianças aos bordeis, lá para trás do sol posto. No teatro da Comuna até dia 28 Março.

O menu é então influenciado pelas nossas viagens ao sudeste asiático, com o clássico toque taberneiro:

Entradas
Iogurte, pepino e hortelã
Grão com ervas
Manga agridoce

Pratos
Panquecas de beringela (Ringrah na bhajia)
Vieiras tostadas com molho fresco (Patta kaah ju chatni)
Peixe manteiga à vietnamita (Cha ca nuong)
Atum tostado com massa soba (Katsuo tataki)
Bolinhos de vaca com chalotas e cominhos ( Cha bo)
Vindaloo

Sobremesa
Bananas com malagueta

quarta-feira, 4 de março de 2009

Esta semana dois vinhos do Douro



Negreiros Tinto
O Negreiros tinto é um vinho feito a partir de uvas das castas Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Barroca e Tinta Roriz, plantadas na Quinta das Amendoeiras, no Douro Superior, sempre classificadas pela letra A (a que indica melhor qualidade numa escala que vai até à letra E).

São cerca de 10 hectares de vinha, que produzem cerca de 50 toneladas de uvas/ano, das quais, apenas 10 a 15 toneladas são vinificadas para a marca Negreiros – a maior parte continua a ser vendida para a produção de vinho do Porto.

http://www.negreirostinto.com




Apegadas - Qta. Velha - Tinto 2005
Castas:-Combinação de uvas escolhidas de diferentes parcelas da Qta. Velha, situada entre
a Régua e o Pinhão, onde predominam as castas Tinta Roriz, Touriga Franca, Tinta Barroca e Touriga Nacional.

Aroma:-Boa intensidade onde sobressaem os frutos silvestres maduros acompanhados por apontamentos florais. Notas ligeiras a baunilha, romãs, tostados e fumados, conferem
complexidade ao conjunto.
Paladar:-Ataque suave. Encorpado, sobressaindo no aroma de boca o seu lado mais frutado. Taninos macios que conferem um final persistente.
http://www.apegadas.co.pt/